Porque a cirurgia flapless não é indicada para todos os casos?

Dentro do conceito de cirurgia guiada por computador, é possível realizar a cirurgia de instalação de implantes dentro do conceito “flapless”, que significa: cirurgia sem retalho. Isto quer dizer que é possível realizar a instalação de implantes no esqueleto maxilofacial sem a necessidade de um amplo acesso cirúrgico, aonde muitas vezes é possível realizar a cirurgia sem incisão e sem a necessidade de suturas pós-operatórias.

Deste modo, a cirurgia pode ser executada com o uso de um punch ou bisturi circular ou ainda com uma perfuração transmucosa através do tubo guia.

Muitas vantagens têm sido relatadas por vários autores, mostrando que a realização de cirurgia guiada, sem incisão e abertura de retalho, proporciona melhores resultados pós-operatórios quando comparada à cirurgia convencional do ponto de vista da morbidade e recuperação após o procedimento cirúrgico.

Pós operatório imediato de cirurgia para instalação de 6 implantes em maxila no conceito cirurgia flapless.
Pós operatório imediato de cirurgia para instalação de 6 implantes em maxila no conceito cirurgia flapless.
Pós operatório imediato de cirurgia para instalação de 4 implantes em mandibula no conceito cirurgia flapless.
Pós operatório 4 implantes em mandibula no conceito cirurgia flapless.

Para a aplicação desta técnica, é essencial que o guia cirúrgico se mantenha perfeitamente adaptado, sem possibilidades de alteração de posição durante a fixação.

Uma das principais causas de falha durante a cirurgia está relacionada a esta etapa clínica. Aconselha-se a utilização de técnicas anestésicas de bloqueio regional longe das áreas onde o guia irá assentar, visando evitar desadaptações em virtude do edema decorrente do excesso de solução anestésica.

Uma vez que a cirurgia será executada sem o rebatimento do retalho mucoperiosteal, não haverá uma visão direta do osso por parte do cirurgião, o que pode levar a resultados desastrosos caso não seja bem conduzido.

A cirurgia flapless não é uma obrigatoriedade em cirurgia guiada por computador, muito pelo contrário. Tenho visto uma certa tendência mercadológica com um marketing apelativo e tendencioso que leva profissionais a indicarem a cirurgia sem retalho para a grande maioria das situações clínicas.

A cirurgia guiada serve para auxiliar o cirurgião em um posicionamento adequado dos implantes, muitas vezes é necessário um procedimento reconstrutivo tecidual, seja ele de tecido duro (ósseo) ou de tecido mole (gengival). Deste modo, se faz necessário o acesso cirúrgico através do rebatimento de retalho, para que o implante seja instalado com auxílio da guia cirúrgica e os procedimentos complementares sejam realizados concomitantemente.

É muito importante observar a quantidade de tecido ósseo e mucosa queratinizada, bem como a resiliência dos tecidos moles onde os implantes serão instalados. O sucesso e a longevidade dos implantes osseointegrados estão intimamente relacionados com a qualidade dos tecidos periimplantares.

Thiago de Almeida Prado Naves Carneiro – DDS; MSc & PhD

Graduação em Odontologia pela Faculdade de odontologia da Universidade Federal de Uberlândia-MG. Mestre em Odontologia pela Faculdade de odontologia da Universidade Federal de Uberlândia-MG. Doutor em Odontologia pela Faculdade de odontologia da Universidade Federal de Uberlândia-MG, Pós-Doutorado em Odontologia pela Faculdade de odontologia da Universidade Federal de Uberlândia-MG. Research Fellow na University of North Carolina – Chapel Hill – UNC – (USA) e Research Fellow na University of Michigan – Ann Arbor – (USA)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nome *